domingo, 3 de abril de 2011

27 - JOÃO DE SOUSA TEIXEIRA - MEMÓRIA DOS CHEIROS



I

Não havia cheiros como os da casa da minha avó.
Ah, se eu pudesse descreve-los,
reproduzi-los com palavras perfumadas!
Subia as escadas
com aromas carregados de maresias recentes,
misturados com o perfume do irrepreensível encerado,
e sabia, pela corrente de ar vinda da cozinha,
que uma grande fatia de pão caseiro,
com queijo de cabra, me estaria reservada para a merenda.
Cada recanto tinha o seu próprio odor,
por isso reconhecia de olhos fechados
a geografia de toda a casa
e do meloso aroma das mãos que me afagavam o rosto,
dos lábios que me beijavam,
do regaço que me acolhia como ninguém.



João de Sousa Teixeira




Ir para http://poetastrabajando.com/


.

3 comentários:

Bonetti disse...

Nem me fale dos cheiros da infância... Estão todos bem guardados, num recanto qualqer da memória - ou do coração...? Que belo texto, João. Abraços!

Celêdian Assis disse...

Memórias dos cheiros é de tão intenso enlevo, que chega a transportá-los e nos fazer sentir a melancolia destas lembranças.

Muito lindo texto, poeta!
Um abraço,
Celêdian

RosanAzul disse...

Memórias olfativas...
Como é bom relembrar o perfume da infância... Tenho muitas também...
O teu escrito está lindo João!
Parabéns por este novo espaço, está muito bom! Sucesso!
Beijo, Rosana